Cemap-Interludium

Reflexões anticapitalistas

Download do artigo em formato PDF
Enviado por Interludium em: 21 - novembro - 2013 1 Comentário

 

O recente anuncio do prefeito de SP Fernando Haddad em conjunto com o governador do estado Geraldo Alckmin,  do valor do bilhete mensal integrado de R$ 230,00,  é uma afronta ao que foi expresso pelas manifestações de junho, que se colocaram claramente contra o sistema de transporte público vigente.

De forma absurda, o prefeito, demonstrando sua profunda incompetência e autoritarismo, na medida em que ignora reivindicações e não discute as medidas  com a sociedade,  faz parecer estar beneficiando o passageiro, mas está na verdade beneficiando os donos das empresas de ônibus, só para não perder o costume.

A origem do problema, e da armadilha lesiva aos cofres públicos, está na incompatibilidade entre o bilhete mensal e o pagamento às empresas por passageiro.

Para demonstrar em números resumidos, a tabela abaixo reproduz o custo das empresas do transporte integrado na cidade, com base em balanços oficiais divulgados em seus sites:

 

Empresa passagerios/mês despesa mensal custo passageiro OBS
A – SPTrans (planilha de custo 2013)           125.000.000  R$  516.000.000,00  R$                       4,13
B – Metro             73.097.583  R$  139.497.744,11  R$                        1,91 a
C – CPTM           63.666.667  R$  121.500.000,00  R$                        1,91 b
D – custo real  R$  776.997.744,11
E – numero de usuarios (passageiros A/26 dias)               4.807.692  R$  776.997.744,11
F – valor passe mensal  R$                161,62 c
Observações:
a – O valor da despesa do metro feito pela media por passageiro da CPTM
b – Esse numero de passageiros e despesa refere-se a 22 municipios, sendo 19 na região metropolitana
c – Valor do passe mensal é obtido dividindo a despesa total atual cheia pela media de pagantes por dia útil

Evidentemente, só por esse calculo rápido, sem levar em conta a racionalização do sistema, já fica claro que o valor do bilhete único integrado, que poderia ser próximo de R$ 160,00, o que pagaria todo o custo das empresas e incentivaria sua aquisição,  é exagerado e acaba passando por baixo do pano o aumento que tentaram impor no primeiro semestre  de 2013.

Mas o mais grave não está aí. O pior é o que está por trás dessa manobra.

Como o sistema se baseia em remunerar por passageiro, o fato de ter um bilhete único mensal, deve aumentar o número de viagens. Por exemplo, o funcionário que recebe vale transporte – que representa perto de 50% dos usuários do transporte público -  de 26 dias de onibus mais integração, custa para o empregador R$ 241,80. Se as empresas passarem a conceder o bilhete único mensal, conveniente pela redução de custo, esse funcionário terá a sua disposição transporte gratuito para suas outras atividades, por exemplo, de lazer.

É aí que está a armadilha!!

Como o sistema absurdamente remunera por passageiro, essas passagens “extras” serão pagas pela prefeitura às empresas particulares pelo valor de R$ 4,13, o que deve aumentar o custo da SPTrans, decorrente do aumento do número de passageiros transportados sem que haja receita correspondente.

Quem vai pagar a conta é o contribuinte, pois essa diferença sairá da arrecadação municipal, sem que haja qualquer justificativa para tanto, na medida em que a frota das empresas  irá circular da mesma forma e com a mesma periodicidade, turbinando a receita das concessionárias.

Como ninguém será obrigado a usar o bilhete mensal, a artimanha deve ter sucesso na medida em que a transferência de fundos dos cofres da prefeitura para as empresas de ônibus ficará escondida em meio a números e mais números demonstrativos das finanças municipais.

E assim, em nome do povo, os empresários de ônibus serão beneficiados mais uma vez.

 

PDF    Enviar artigo em PDF   

Artigos relacionados:

  1. Quem luta sempre ganha: professores de Salvador derrotam o Alfa e Beto!
Categorias: Política, Sem categoria

Um comentário

  1. Renata Miranda Filgueiras disse:

    Olá. Não sei como funciona o bilhete único mensal, mas não entendi a lógica da conta do texto. Vocês dividem o número de usuários da sptrans (que são somente os ônibus, é isso?)por 26 dias (imagino que seja uma média de dias úteis trabalhados), encontrando assim o nº de usuários por dia (mas só da sptrans?)Em seguida dividem a despesa mensal de todos os sistemas (sptrans, CPTM e Metro) por esse nº de usuário mensal. Por quê? Gostaria de entender melhor a conta… Obrigada.

Envie um comentário

*