Menu fechado

Acervo do Cedem

Capa da segunda edição do Guia do Acervo do CedemCedem lança segunda edição de seu guia

O Centro de Documentação e Memória da Unesp lançou a segunda edição de seu Guia do Acervo, com a incorporação de fundos e coleções recebidos depois de 2008, quando foi publicada a primeira edição. O Guia é uma publicação de referência para os pesquisadores interessados em conhecer e utilizar o material do centro. Com 166 páginas, ele traz informações sobre os documentos relativos ao Projeto Memória da Universidade, constituído para preservar a história da Unesp, e sobre o material proveniente de movimentos sociais e da esquerda nacional e internacional que integram o acervo. A publicação pode ser baixada em formato PDF no site, ou clicando aqui.

O guia apresenta um resumo dos 30 anos de percurso do Cedem e um perfil do acervo, em que trata das particularidades da documentação, adquirida por doação ou na forma de depósito ou custódia, incluindo observações sobre algumas opções de trabalho adotadas para sua preservação e tratamento técnico. Em seguida,  descreve os arquivos e coleções, agrupados em torno das instituições das quais se originaram.

Cultura

O artista plástico Gershon Knispel.Morre Gershon Knispel,
revolucionário até o fim

José Arbex Jr.

Em 7 de setembro, faleceu em Haifa (Israel), aos 86 anos, o artista plástico Gershon Knispel, um militante da causa revolucionária, socialista e da luta pela emancipação do povo palestino. Dividia seu tempo entre Haifa e São Paulo. Aqui, sempre identificado com as causas democráticas e populares, tornou-se articulista da revista Caros Amigos, denunciando duramente a política de ocupação israelense dos territórios palestinos. Era um intelectual de convicções firmes, sustentadas com grande coerência e integridade até o fim da vida, ao mesmo tempo em que tinha um fino e agudo senso de humor.

Nota

Sobre o incêndio no Museu Nacional

Incêndio no Museu Nacional, ocorrido em 2 de setembro de 2018Cemap-Interludium Centro de Estudo do Movimento Operário vem a público com profunda indignação expressar sua tristeza diante do incêndio ocorrido em 2 de setembro no Museu Nacional, o quinto mais importante museu do mundo.

Os profissionais que lá trabalharam e continuarão a trabalhar há muito sabiam que esta era uma tragédia anunciada, e denunciavam isto, tamanho o descaso e a falta de investimento que assegurasse seu funcionamento em condições minimamente seguras.

Mas este é o país em que alguns governos fazem questão de explicitar, de maneira inequívoca, a pouca ou nenhuma importância que tem a memória histórica e a cultura do seu povo, porque não têm nenhum compromisso com ele.

O que esperar de um país cujo presidente e o Congresso aprovam, como ocorreu recentemente, cortar verba da ciência, da educação e da cultura, sem falar da saúde, por 20 anos, sob o pretexto de contenção de gastos?

O mesmo governo que encontra verba pública para aumentar em 58,6%, só nos dois últimos anos, os mais que polpudos salários de um Judiciário inepto, e o mais caro do planeta.

Nossa solidariedade aos funcionários do Museu Nacional e de todos os demais Museus e Centros de Memória Brasileiros, bem como a todos os cidadãos comprometidos com a nossa memória histórica, com a pesquisa, a ciência, a educação e a cultura.

Debate: Diálogos com Vito Letizia 3

Lançamento de 2017: Uma revolução confiscada  Lançamento de 2017: Uma revolução confiscadaLançamento de 2017: Uma revolução confiscada

Vídeos do debate de lançamento do livro

“1917: Uma revolução confiscada”

1917: Uma revolução confiscada, que encerra a série Diálogos com Vito Letizia, foi lançado em 25 de outubro de 2017, com um debate no Centro de Documentação e Memória da Unesp, no centro de São Paulo. A historiógrafa do Cedem Solange Souza e a presidente do Cemap-Interludium, Lucia Pinheiro, fizeram a apresentação do debate, que teve como expositores a professora doutora Isabel Loureiro, colaboradora da Fundação Rosa Luxemburgo e membro do conselho científico da Sociedade Internacional Rosa Luxemburgo, e o professor doutor José Arbex, professor do Departamento de Jornalismo da PUC-SP e integrante do Cemap-Interludium. Confira os vídeos do debate:

Complementos de ‘1917: Uma revolução confiscada’

Capa do livro 1917: Uma revolução confiscada, de Vito Letizia “1917: Uma revolução confiscada” – leia cronologias da história da Rússia e anexo

Ao preparar as entrevistas que deram origem ao livro 1917: Uma Revolução Confiscada, Vito Letizia organizou dois roteiros históricos para usar como guias de sua narrativa, acompanhados de anotações a respeito de determinados pontos que considerava muito relevantes. O primeiro roteiro tinha como foco a formação do Estado russo, desde o século 6, com a ocupação pelos eslavos das estepes que se estendem do leste europeu à Sibéria, até as vésperas dos acontecimentos revolucionários de 1917. O segundo roteiro se concentrou na Revolução de 1917 e terminou em 1921, com a repressão à revolta de Kronstadt, data que Vito Letizia aponta como o fim do processo revolucionário russo. Como costuma acontecer em projetos tão amplos, nas entrevistas Vito foi muito além desses roteiros. O projeto inicial do livro, lançado em 25 de outubro, previa a inclusão dessas cronologias, e os editores as estenderam para cobrir todo o período abordado nas entrevistas e para completar, ainda que de forma breve, a história da União Soviética até sua dissolução. Posteriormente, decidiu-se não publicá-las com o livro, mas colocá-las à disposição do leitor no site de Interludium.

Anexo de ‘1917: Uma revolução confiscada’

Do “canato” de Moscou até a Revolução de Outubro: identidade religiosa, identidade nacional

Reprodução de pintura do acervo Cedem/IAP
Durante as entrevistas que deram origem ao livro 1917: Uma Revolução Confiscada, Vito Letizia enfatizou várias vezes a questão da profunda religiosidade do povo russo como substituta de uma identidade nacional. Por fim, ele decidiu explicar sua visão de forma mais detalhada, para abrir o debate. O texto que publicamos é o resultado dessa exposição.

Cronologia 1 de ‘1917: Uma revolução confiscada’

Pintura do acervo Cedem/IAPO caráter do Estado Grão-Russo

O caráter de um Estado é dado pelas contradições que constituem sua realidade, as quais são o resultado vivo do processo histórico. No caso russo, é dado pela história da periferia oriental do extinto Império Romano, cujo centro era a Bizâncio da antiguidade helênica (a Constantinopla medieval, hoje Istambul) e de suas relações de fronteira com o mundo islâmico setentrional ou “irânico”, usando um termo de Arnold Toynbee. Por isso, a caracterização do Estado russo exige o conhecimento dos principais eventos desse processo histórico.

A história russa se desenvolveu na vasta planície que se estende da Europa Oriental até a Sibéria. Ao norte, é limitada pelo mar Branco e o Oceano Ártico. Ao sul, pelo mar Negro, o mar Cáspio e as montanhas do Cáucaso. Como descreve o historiador Lionel Kochan, a característica mais importante dessa planície são as colinas que constituem o centro de dispersão do sistema fluvial. Foi ao longo delas que nasceram cidades como Kiev, Novgorod, Polotsk, Chernigov e Smolensk.

Cronologia 2 de ‘1917: Uma revolução confiscada’

O processo revolucionário russo

Parte de cartaz de comemoração dos 64 anos da Revolução Russa1917

Janeiro-fevereiro – O número de greves na Rússia chega a 1.330, envolvendo mais de 676 mil trabalhadores. A fome e a insatisfação com a guerra levam a população às ruas em Petrogrado e Moscou. Multidões marcham cantando a Marseillaise, o hino da Revolução Francesa, e gritando “abaixo a guerra”, “abaixo a polícia”, “fuzilem os especuladores”. Na Nevsky Prospekt, principal via de Petrogrado, um manifestante bolchevique testemunha e relata a recusa de soldados a reprimir um protesto: “Ouviu-se estrondoso aplauso. A multidão triunfante saudou seus irmãos vestidos com a capa cinzenta da soldadesca. Os soldados se misturaram livremente aos manifestantes.”

23 de fevereiro (8 de março) – A Liga Ravnopravia Jenschin (Liga pela Igualdade de Direitos das Mulheres) promove uma passeata para marcar o Dia Internacional da Mulher: milhares de operárias têxteis protestam contra a fome, denunciam o governo czarista e reivindicam o direito de votar. Ao longo do dia, a manifestação é engrossada por operários em greve, estudantes, militantes socialistas. Em vez de se esgotar, o protesto é retomado no dia seguinte e várias fábricas param. Em 25 de fevereiro se estabelece a greve geral na cidade.

Lançamento: Diálogos com Vito Letizia 3

Capa do livro 1917: Uma revolução confiscada, de Vito LetiziaCemap-Interludium lança “1917: Uma revolução confiscada”

No livro 1917: Uma revolução confiscada, Vito Letizia apresenta uma nova narrativa para a Revolução Russa. Vito, materialista rigoroso, analisa e descreve o desenvolvimento dos acontecimentos como resultado das contradições materiais existentes e da tentativa de superá-las. Ao mesmo tempo, ele resgata e coloca no contexto dessas contradições os aspectos culturais, históricos e religiosos da história russa, aos quais dá grande importância.

O livro será lançado em 25 de outubro, com um debate às 18h30 no Centro de Documentação e Memória da Unesp (Cedem), que abriga o acervo do Cemap, na Praça da Sé, 108,  1º andar, no centro de São Paulo. O livro estará à venda durante o debate, ou pode ser adquirido pelo site.

Lançamento: Diálogos com Vito Letizia 2

Capa do livro As origens das aspirações modernas de liberdade e igualdade‘As Origens das Aspirações Modernas de Liberdade e Igualdade’ chega às livrarias

Este segundo volume da série Diálogos com Vito Letizia reúne as discussões sobre a Revolução Francesa e a social-democracia europeia. Os teóricos marxistas formados no contexto da Revolução Russa negligenciaram a conexão entre a Revolução Francesa e a formação das reivindicações da classe trabalhadora durante o período de surgimento da social-democracia europeia, na segunda metade do século 19. A ponto de que hoje esses dois momentos parecem estar completamente dissociados.

E, no entanto, em julho de 1789, foi o povo insurgente de Paris que tomou a Bastilha, e exatos cem anos depois, na mesma cidade, num congresso socialista convocado para celebrar o centenário da queda da Bastilha, Friedrich Engels propôs a fundação de uma nova internacional, a 2ª Internacional. Ação muito clara e determinada de reconhecimento à luta travada por milhões de mulheres e homens em defesa de suas aspirações de liberdade e igualdade. A afirmação de que se reconhecer nessas lutas do passado significa reivindicá-las como próprias, significa reivindicar para a luta socialista as jornadas revolucionárias da Revolução Francesa.