Menu fechado

O Cemap na Semana de Jornalismo da PUC

Cartaz 41ª Semana de Jornalismo da PUCO Cemap-Interludium participou da 41ª Semana de Jornalismo da PUC-SP, onde apresentou nosso projeto de digitalização das coleções dos jornais alternativos da época da ditadura Versus, Opinião e Movimento. A presidente de Cemap-Interludium, Lúcia Pinheiro, fez parte da mesa do debate “Memória e Resistência: O papel histórico do jornalismo, junto com Raimundo Pereira, que foi fundador e editor do Movimento, e Laura Capriglione, do Jornalistas Livres. A discussão se centrou na importância e na necessidade do jornalismo de resistência, no passado e no presente, e foi filmada pelos organizadores.

Debate 41ª Semana de Jornalismo da PUC
Laura, Raimundo, Arbex e Lúcia no debate na PUC.

É possível assistir ao debate pelo site da Associação dos Professores da PUC (Apropuc) no Facebook. A 41ª Semana de Jornalismo da PUC-SP, com o tema “Jornalismo em tempos de cólera – A democracia sob ataque e formas de resistência”, foi organizada pelo Centro Acadêmico Benevides Paixão. O mediador do debate sobre a imprensa de resistência foi o jornalista e professor da PUC José Arbex, que também é diretor de Cemap-Interludium. Ele fez um breve relato sobre a história do Centro de Documentação do Movimento Operário Mário Pedrosa (Cemap), gerido por nossa oscip.

Em seguida, Lúcia apresentou nosso projeto Memória de uma Imprensa Alternativa, que foi um dos selecionados pela Secretaria de Cultura da Prefeitura de São Paulo no fim de 2018 para receber recursos do Edital de Apoio à Digitalização de Acervos. O objetivo de Cemap-Interludium é não apenas digitalizar as coleções dos jornais Movimento, Opinião e Versus, que integram o acervo do Cemap, mas divulgá-las e ampliar seu acesso para pesquisadores e interessados.

A participação na 41ª Semana de Jornalismo da PUC-SP faz parte das ações de divulgação dessas coleções. Movimento, Opinião e Versus não eram porta-vozes de grupos sindicais ou revolucionários, mas jornais que surgiram durante o período da ditadura como alternativa à grande imprensa, muito mais suscetível à censura e outras formas de controle. Eles ocuparam em boa parte o vácuo deixado pelos jornais de esquerda, que foram postos na ilegalidade e praticamente deixaram de existir. Seu impacto como fonte de denúncias, ou simplesmente de temas culturais e locais censurados nos jornalões, foi imenso e é uma parte da nossa história que merece ser preservada.

O acervo completo do Cemap, que inclui as três coleções digitalizadas, está custodiado no Centro de Documentação (Cedem) da Unesp, assim como os acervos de várias outras instituições. O Cedem fica na Praça da Sé, 108, 1º andar (SP). Interessados em consultas aos acervos podem entrar em contato pelo telefone (11) 3116-1701 ou pelo e-mail pesquisa@cedem.unesp.br.


‘Vaza-Jato’

Ponto para o Centro Acadêmico Benevides Paixão, que levou para a Semana de Jornalismo da PUC o jornalista Glenn Greenwald, diretor do site The Intercept Brasil, para falar da “Vaza Jato”. Desnecessário se estender sobre o impacto das revelações do Intercept ao longo dos últimos meses, ou repetir o quanto elas mostram a necessidade de uma imprensa sem amarras, independente e de resistência. Glenn Greenwald debateu o jornalismo da “Vaza Jato” com Carla Jiménez, diretora do El País Brasil, e Sérgio Dávila, diretor de redação da Folha de S. Paulo. O mediador foi Leonardo Sakamoto, colunista do UOL e professor da PUC. O debate pode ser visto na página da TV-PUC no YouTube.

 

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.