Menu fechado

Ditadura Nunca Mais

São Paulo faz atos para marcar golpe de 1964

6º Ato Unificado DITADURA NUNCA MAISNo fim de semana de aniversário do golpe militar de 1964, organizações populares, centrais sindicais e entidades acadêmicas organizam uma programação intensa de manifestações por todo o país. Em São Paulo, a principal é o o 6º Ato Unificado DITADURA NUNCA MAIS, a partir das 10 horas, nas dependências do antigo Doi-Codi em São Paulo (Rua Tutoia, 921). Uma das reivindicações dos organizadores, o Núcleo Preservação da Memória e o Comitê Paulista Pela Memória, Verdade e Justiça, é a transformação do antigo Doi-Codi em Lugar de Memória. Outras atividades estão previstas para hoje e amanhã.

Debate 1964-2019: a organização do opressorAinda de manhã, a partir das 10h30, o grupo História da Disputa: Disputa da História faz o debate itinerante 1964-2019: a organização do opressor, dentro de seu projeto Percursos e Memórias. Os interessados vão se reunir na saída da estação Trianon-MASP do metrô e caminhar até as dependências do Doi-Codi, onde integrarão o 6º Ato Unificado. Pelo caminho, vão passar por pontos de significação histórica e conversar sobre como o Estado se organizou para reprimir os movimentos que contestavam a autoridade do regime, o papel dos órgãos de repressão e as formas de resistência presentes na cidade.

curso A Classe Trabalhadora em Movimento: lutas e resistências contra as “reformas” da ditadura militar no BrasilPara quem preferir uma atividade mais tranquila, o Instituto Bixiga de Pesquisa, Formação e Cultura Popular e o Memorial da Resistência de São Paulo começam hoje o curso A Classe Trabalhadora em Movimento: lutas e resistências contra as “reformas” da ditadura militar no Brasil. O curso, que continuará nos dias 6 e 13 de abril, pretende expor e discutir criticamente as principais “reformas” antipopulares impostas ao longo de todo o período correspondente à ditadura (1964-1985) e apresentar e debater as formas de resistência da classe trabalhadora. Das 10h às 13h, no Memorial, no Largo General Osório, 66.

Palestina livre

Bolsonaro e Israel não! Palestina livre sim! Chega de massacre!Com um sentido um pouco diferente, a Frente em Defesa do Povo Palestino e o centro cultural Al Janiah convocam o ato público Bolsonaro e Israel não! Palestina livre sim! Chega de massacre!, às 17 horas, na frente do prédio da Gazeta (Avenida Paulista, 900). De lá, uma passeata seguirá pela Brigadeiro Luís Antônio até o Al Janiah, onde haverá debate e intervenção cultural. 30 de março é o Dia da Terra palestino – que lembra a violenta repressão do exército israelense contra manifestantes que protestavam contra a ocupação de suas terras na Galileia, em 1976.

“Vamos expressar a solidariedade urgente e o apoio à resistência heroica palestina ante a colonização e a limpeza étnica israelenses! Vamos fortalecer o chamado por boicote a Israel! Vamos nos manifestar contra a expansão colonial israelense e os ataques contínuos promovidos pela ocupação sionista a Gaza – que também há um ano, em 30 de março, iniciou a Grande Marcha do Retorno!
Vamos enviar nossa solidariedade aos presos políticos palestinos, sob massacre israelense neste momento, que anunciam greve de fome a partir de 1º de abril.
Também vamos denunciar a cumplicidade do governo Bolsonaro com Israel, repudiar sua ida a Israel e somar as lutas contra a exploração e a opressão, do Brasil à Palestina!”, diz a chamada da frente para o ato.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *