Menu fechado

Um dicionário dos excluídos da história

Está disponível na internet desde agosto o dicionário biográfico Excluídos da História, publicado pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Criado a partir do trabalho de 6.753 estudantes dos últimos anos do ensino fundamental e do ensino médio que participaram da 11ª Olimpíada Nacional em História do Brasil (ONHB), em 2019, o dicionário contém 2.251 verbetes sobre personagens da história do Brasil que nunca ou quase nunca aparecem nos livros didáticos oficiais.

A coordenadora da Olimpíada, a historiadora e professora da Unicamp Cristina Meneguello, disse que a ideia do dicionário se baseou no samba-enredo História para Ninar Gente Grande, da Estação Primeira de Mangueira, que fala dos personagens “esquecidos” e “silenciados” pela história oficial e lembra Marielle Franco. O samba, que fez da Mangueira a escola campeã do carnaval carioca no ano passado,  abriu alas para os “heróis de barracões” com “versos que o livro apagou” para contar “a história que a história não conta” e mostrar “um país que não está no retrato” e o “avesso do mesmo lugar”. Versos que caíram no gosto popular antes mesmo do desfile oficial, sendo tocados em blocos de rua e rodas de samba pela cidade (ouça o samba no site da Mangueira ou veja o clipe oficial no YouTube).

Segundo Cristina, a discussão sobre os excluídos da história foi intensa entre os historiadores depois do carnaval e o tema permeou toda a Olimpíada, iniciada em 6 de maio de 2019. “Começamos a trabalhar com a ideia de quem são esses personagens ignorados pela história e pelos meios de comunicação de massa. Pedimos aos alunos que apresentassem o personagem, fizessem uma biografia e dissessem por que essa pessoa deveria estar nos livros didáticos e por que não estava”, conta ela. “O resultado superou nossa expectativa. Nós observamos que esses personagens desconhecidos são personagens negros, são mulheres importantes para a história do Brasil, são mulheres negras, são líderes locais. Muitos fizeram verbete de pessoas que ainda estão vivas: líderes indígenas, pessoas perseguidas na ditadura militar, professores que foram censurados na ditadura. Temos de personagens do Brasil colônia até da atualidade.”

Os alunos não se prenderam a nenhum momento histórico específico. Os verbetes vão do cacique Tibiriçá, nascido antes de 1500 e batizado pelos jesuítas como Martim Afonso de Sousa, até Jackson Viana de Paula dos Santos, escritor nascido em Rio Branco (AC) no ano 2000 e fundador da Academia Juvenil de Letras, passando por Bárbara Pereira de Alencar, heroína da Revolução Pernambucana de 1817 e descrita como “a primeira prisioneira política do Brasil”, Alzira Soriano, que se tornou a primeira prefeita eleita do Brasil em 1928, quatro anos antes da legalização do voto feminino e das candidaturas de mulheres no país, Mercedes Baptista, a primeira bailarina negra do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, o líder indígena Ailton Krenak e militantes perseguidos e mortos pela ditadura, como Alceri Maria Gomes da Silva e Alexandre Vannucchi Leme, entre muitos outros.

A escolha do personagem era livre, dentro do critério de ser importante para a história do Brasil e não ser lembrado nos livros didáticos. Por conta disso, alguns personagens foram escolhidos por mais de um grupo e há verbetes repetidos no dicionário, mas com abordagens diferentes.

Cristina disse que originalmente não havia a intenção de publicar a produção dos estudantes. Mas, diante da riqueza e da diversidade do material, a coordenação decidiu compartilhar o material com professores, estudantes e todos os interessados, disponibilizando o conteúdo online. “Nós percebemos que eles, mesmo jovens, têm uma percepção do que é um personagem histórico muito ampla, muito mais interessante do que o que você vê na televisão. Eles têm uma percepção muito correta do que é a historiografia, ficamos muito felizes com o resultado e por isso decidimos publicar.”

* * *

Com base em informações do site da Olimpíada Nacional em História do Brasil e nas reportagens de Akemi Nitahara, da Agência Brasil e de Mirella Lopes, da Agência Saiba Mais.

Você pode se interessar por:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.