Menu fechado

Zuzu Angel

A luta de uma mãe em busca de seu filho

Zuzu Angel foi uma das mais importantes estilistas e figurinistas da história da moda no Brasil. Após o desaparecimento de seu filho, Zuzu realizou em  1971  um desfile-protesto no consulado brasileiro em Nova York. Suas criações estilísticas incorporaram elementos que denunciavam as arbitrariedades do governo militar.

Zuzu Angel, 1969 – Arquivo Nacional

Stuart Edgar Angel Jones era filho do estadunidense Norman Jones e de Zuleika Angel Jones, mais conhecida, no Brasil e no mundo, como Zuzu, estilista e figurinista. Stuart era estudante de Economia na UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e bicampeão carioca em remo pelo Clube de Regatas Flamengo. Na passagem das décadas de 60/70, momento de endurecimento da ditadura e após o decreto do AI-5 (Ato Institucional nº5), Stuart passou a militar junto ao MR-8 (Movimento Revolucionário 8 de Outubro), contra a repressão e pelo fim do regime instaurado em 1964.

Stuart Angel Jones, 1976 – disponibilizado pelo UOL

O militante

Stuart Angel foi preso em um recinto clandestino no dia 28 de Setembro de 1971 no bairro do Grajaú, região norte do Rio de Janeiro por agentes do CISA (Centro de Informações da Aeronáutica). Foi encaminhado para interrogatório sobre o suposto envolvimento com o guerrilheiro Carlos Lamarca, chefe do MR-8 e um dos grandes procurados pela ditadura. Negando qualquer vínculo com Lamarca, o militante foi brutalmente torturado e veio a falecer dias após seu desaparecimento, por insuficiência respiratória e intoxicação por gases letais de acordo com o último relatório da CNV (Comissão Nacional da Verdade) em 2013.
Na noite de sua morte, Zuzu recebeu uma ligação do grupo revolucionário ao qual Stuart pertencia. Na ligação, um dos integrantes havia informado de que “Paulo (codinome usado por Stuart) havia sido preso. Sem entender muito bem do que se tratava, mas, tendo em mente que seu filho participava da luta contra o regime militar, foi em seguida para a delegacia à procura de Stuart. A partir daquele momento, Zuzu passou denunciar à imprensa e a órgãos internacionais as arbitrariedades praticadas pela ditadura. Ainda em 1971, realizou um desfile-protesto no consulado brasileiro em Nova York. Suas criações estilísticas incorporaram elementos que denunciavam a situação, com estampas representando tanques de guerra, canhões, pássaros engaiolados, meninos aprisionados, anjos amordaçados e muitas outras formas utilizadas pela estilista na denúncia do desaparecimento de Stuart.

Uma estilista enfrenta a ditadura

Zuzu Angel, 1972 – Nova York

Zuleika Jones foi uma das mais importantes estilistas e figurinistas da história da moda no Brasil. Nasceu em 5 de junho de 1921, na cidade de Curvelo (MG). Casou-se com um estadunidense com o qual teve 3 filhos. Morou um tempo nos Estados Unidos e após se separar, realocou-se no Rio de Janeiro em busca de independência e reconhecimento profissional.
Na década de 50, após trabalhar 10 anos como costureira, financiou seu primeiro ateliê de moda. Seu estilo inovador para época, misturava renda, seda, fitas e chitas (como temas regionais brasileiro), mesclando com estampas de pássaros, borboletas além de materiais como bambu e madeira, representando uma identidade nacional.
Sempre próxima de pessoas abastadas e que também reconheciam seu trabalho, conseguiu expandir seu negócio começando a realizar desfiles em Nova York (EUA). Zuzu sempre expunha em seus desfiles cores vívidas e quentes, passando a desenhar, estilizar e pintar suas próprias peças de roupa. Foi ela quem cunhou no Brasil o termo “fashion designer”.
Entretanto, a prisão, tortura e desaparecimento de seu filho Stuart produziram uma virada em sua vida. Zuzu Angel passou a usar o seu talento na moda como principal ferramenta de denúncia do desaparecimento de seu filho.

O desfile-protesto de 1971

Desfile-protesto, Nova York 1971 (disponibilizado pelo Itaú Cultural)
Desfile-protesto, Nova York 1971 (disponibilizado pelo Itaú Cultural)

No dia 13 de setembro de 1971, no Gotham Hotel em Nova York, Zuzu Angel lança de surpresa o desfile chamado “The Helpless Angel”, fazendo menção ao desaparecimento de seu filho e tornando o caso internacionalmente público.
No desfile, Angel faz uso de cores frias e materiais como penas e cristais. O design dos pássaros de ponta-cabeça, alguns engaiolados, e outros com penas caídas, retornam na ideia do paradeiro de seu filho, como um prisioneiro em busca de liberdade. Além de estampas com tanques de guerra e representações de mordaças, remetendo as arbitrariedades do governo brasileiro.

O “desfile-protesto” foi considerado um crime pela ditadura, por passar uma imagem ruim do Brasil para países no exterior. A repercussão foi tão grande que ganhou primeira capa no The Montreal Star “Designer de moda pede pelo filho desaparecido” e no Chicago Tribune “A mensagem política de Zuzu está nas suas roupas”.

Além do desfile, Zuzu recolheu diversos depoimentos e documentos que demonstravam a responsabilidade do estado brasileiro pelo desaparecimento e morte seu filho. O ex-guerrilheiro Alex Polari, por exemplo, preso no mesmo local que Stuart, conta em uma carta, que o jovem filho de Zuzu havia sido amarrado em um carro e arrastado por todo quartel, levando golpes e chutes na barriga e sendo obrigado a colocar sua boca no escapamento do carro e aspirar todos os gases tóxicos. Jogado posteriormente em um espaço no quartel, seu corpo foi encontrado horas depois sem vida.
Esse depoimento foi levado por Zuzu até o senador estadunidense Edward Kennedy, que prosseguiu com o caso até o Congresso dos Estados Unidos, na qual foi posteriormente arquivado.

“Quem é essa mulher que canta sempre esse lamento?”

Carta de Zuzu Angel à Chico Buarque disponibilizada pelo Portal EBC em 2013

A busca de Zuzu pelo corpo de seu filho só teve um fim no momento de sua morte. Na noite de 14 de abril de 1976 o carro de Zuzu derrapou na estrada da Gávea, próximo a saída do Túnel Dois Irmãos, hoje batizado com seu nome.

Uma semana antes do acidente que causara sua morte, Zuzu enviou uma carta à Chico Buarque e Marieta Severo. Na carta Zuzu dizia – “Se eu aparecer morta, por acidente ou outro meio, terá sido obra dos assassinos do meu amado filho.”

Chico Buarque lançou em 1981 uma música em homenagem à Zuzu Angel. A canção composta pelo cantor e por Miltinho descreve a luta e força de Zuzu em busca de justiça por seu filho. A música se chama Angélica, e esta disponível em todos plataformas de streaming.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.