Menu fechado

Testa blog site origin

Debate "A democracia no Brasil atual - expectativas e realidade"

Assista “A democracia no Brasil atual – expectativas e realidade”

Foi muito bom o debate que Cemap-Interludium promoveu no dia 28 no Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, como parte da nossa homenagem pelos dez anos da morte de Vito Letizia. A discussão sobre o momento político do país se ampliou para uma avaliação mais geral dos erros e acertos da esquerda e do PT desde a campanha das Diretas-Já, com intervenções muito incisivas do ex-deputado federal José Genoino, da professora da Faculdade de Educação da USP Selma Rocha e do historiador Danilo Nakamura, membro da nossa oscip. O encontro também teve uma participação emocionante de Cida Duran, mulher e companheira de toda a vida de Vito Letizia, e de Renato Garcia, sobrinho do nosso professor. Continue a ler

Cartaz do debate "A democracia no Brasil atual"

A democracia no Brasil em debate

Temos uma democracia hoje? É possível reverter o tremendo estrago que o governo Bolsonaro provocou? Quais são as perspectivas para os trabalhadores? Cemap-Interludium promoverá um debate sobre essas questões no dia 28, na sede do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, com a participação do ex-deputado federal José Genoino e do deputado federal Paulo Teixeira, além do historiador Danilo Nakamura. O encontro faz parte da homenagem aos 10 anos da morte de Vito Letizia, fundador do coletivo Interludium e um dos responsáveis pela criação do Centro de Estudos do Movimento Operário Mário Pedrosa (Cemap) nos anos 1980. Continue a ler

Debate: Diálogos com Vito Letizia 3

1917: Uma revolução confiscada, que encerra a série Diálogos com Vito Letizia, foi lançado em 25 de outubro de 2017, com um debate no Centro de Documentação e Memória da Unesp, no centro de São Paulo. A historiógrafa do Cedem Solange Souza e a presidente do Cemap-Interludium, Lucia Pinheiro, fizeram a apresentação do debate, que teve como expositores a professora doutora Isabel Loureiro, colaboradora da Fundação Rosa Luxemburgo e membro do conselho científico da Sociedade Internacional Rosa Luxemburgo, e o professor doutor José Arbex, professor do Departamento de Jornalismo da PUC-SP e integrante do Cemap-Interludium. Confira os vídeos do debate: Continue a ler

Complementos de ‘1917: Uma revolução confiscada’

Ao preparar as entrevistas que deram origem ao livro 1917: Uma Revolução Confiscada, Vito Letizia organizou dois roteiros históricos para usar como guias de sua narrativa. O projeto inicial do livro, lançado em 25 de outubro, previa a inclusão dessas cronologias e de um anexo, também resultado das entrevistas, sobre o papel essencial da Igreja Ortodoxa e da religião na formação da identidade russa (Do “canato” de Moscou até a Revolução de Outubro: identidade religiosa, identidade nacional). Posteriormente, decidiu-se não publicá-los com o livro, mas colocá-los à disposição do leitor no site de Cemap-Interludium. Continue a ler

Anexo de ‘1917: Uma revolução confiscada’

Do ‘canato’ de Moscou até a Revolução de Outubro: identidade religiosa, identidade nacional Durante as entrevistas que deram origem ao livro 1917: Uma Revolução Confiscada, Vito Letizia enfatizou várias vezes a questão da profunda religiosidade do povo russo como substituta de uma identidade nacional. Por fim, ele decidiu explicar sua visão de forma mais detalhada, para abrir o debate. O texto que publicamos é o resultado dessa exposição. Continue a ler

Cronologia 1 de ‘1917: Uma revolução confiscada’

O caráter do Estado Grão-Russo O caráter de um Estado é dado pelas contradições que constituem sua realidade, as quais são o resultado vivo do processo histórico. No caso russo, é dado pela história da periferia oriental do extinto Império Romano, cujo centro era a Bizâncio da antiguidade helênica (a Constantinopla medieval, hoje Istambul) e de suas relações de fronteira com o mundo islâmico setentrional ou “irânico”, usando um termo de Arnold Toynbee. Por isso, a caracterização do Estado russo exige o conhecimento dos principais eventos desse processo histórico. Esta cronologia aborda a formação da Rússia, no século 6, até as vésperas dos acontecimentos revolucionários de 1917. Continue a ler

Cronologia 2 de ‘1917: Uma revolução confiscada’

Esta cronologia segue e expande o segundo roteiro preparado por Vito Letizia para as entrevistas que deram origem ao livro sobre a Revolução Russa. O roteiro começava em 1917 e terminava em 1921, com a repressão à revolta de Kronstadt, que Vito aponta como o fim do processo revolucionário russo. Mas nas entrevistas Vito foi muito além dessas datas. Assim, esta cronologia busca cobrir todo o período abordado nas discussões e traçar uma breve história da União Soviética até sua dissolução, em 1991. Continue a ler

Diálogos com Vito Letizia 3

No livro 1917: Uma revolução confiscada, Vito Letizia apresenta uma nova narrativa para a Revolução Russa. Vito, materialista rigoroso, analisa e descreve o desenvolvimento dos acontecimentos como resultado das contradições materiais existentes e da tentativa de superá-las. Ao mesmo tempo, ele resgata e coloca no contexto dessas contradições os aspectos culturais, históricos e religiosos da história russa, aos quais dá grande importância. O livro, o terceiro e último da série "Diálogos com Vito Letizia", será lançado em 25 de outubro, com um debate às 18h30 no Centro de Documentação e Memória da Unesp (Cedem). Continue a ler

Diálogos com Vito Letizia 2

Cemap-Interludium lançou As Origens das Aspirações Modernas de Liberdade e Igualdade, o segundo volume da série "Diálogos com Vito Letizia", que reúne as discussões sobre a Revolução Francesa e a social-democracia europeia. Nele, Vito aponta que os teóricos marxistas formados no contexto da Revolução Russa negligenciaram a conexão entre a Revolução Francesa e a formação das reivindicações da classe trabalhadora durante o período de surgimento da social-democracia europeia, na segunda metade do século 19, ao ponto de que hoje esses dois momentos parecem estar completamente dissociados. Continue a ler

O pensamento prático da liberdade

Emmanuel Nakamura Uma amiga e colega do grupo Interludium costuma dizer que somos – refiro-me à “ala jovem” do grupo Interludium – “filhotes do Vito”. Talvez por esse motivo seja para mim tão difícil escrever uma resenha sobre o livro do Vito Letizia, “Contradições que movem a história do Brasil e do continente americano": falta-me talvez um distanciamento crítico não apenas em razão dos nove anos de amizade com ele, mas fundamentalmente porque fui educado pelo Vito Letizia a pensar a política. Assim como a educação que recebemos de nossos pais tem o objetivo de que seus filhos possam viver uma vida universal ao prepará-los para a vida em sociedade, foi com Vito Letizia que recebi a educação para pensar essa vida universal em seu âmbito político. Por isso, resenhar esse livro tem para mim também o difícil significado de distanciamento autocrítico. Continue a ler