Menu fechado

Tag: reforma da Previdência

Greve geral contra a reforma da Previdência

A greve geral contra a reforma da Previdência e os cortes na educação deve parar hoje todas as capitais e boa parte das grandes e médias cidades do país. Em assembleias realizadas durante os últimos dias, várias categorias de trabalhadores e estudantes em todo o país decidiram aderir à paralisação convocada conjuntamente pelas centrais sindicais e movimentos populares, como as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo. Além de panfletagens e piquetes em portas de fábrica e locais de trabalho, mais de 200 cidades têm manifestações, passeatas e atividades marcadas.

Mobilização contra a reforma da Previdência

Ato contra reforma da previdênciaCom a tentativa do governo de retomar a votação na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, as mobilizações contra a reforma da Previdência voltam a crescer e as centrais sindicais preparam um manifestação monstro para o 1º de Maio. A CUT abriu um site específico, chamado Na Pressão, para ajudar os trabalhadores a pressionarem os deputados da comissão contra a proposta. Além das manifestações e protestos, movimentos sociais e sindicatos intensificam o esforço para informar os trabalhadores de todos os prejuízos embutidos na reforma, com uma agenda cheia de debates e seminários nos próximos dias. Também circula na internet uma cartilha que resume em 44 itens os maiores problemas com relação à reforma da Previdência.

Contra a reforma da Previdência

Dia Nacional de Luta em Defesa da PrevidênciaHoje é o Dia Nacional de Luta em defesa da aposentadoria

Atos públicos, panfletagens e assembleias contra a reforma da Previdência proposta pelo governo (a PEC 06/2019) estão marcados para pelos menos 126 cidades do país hoje. Eles são a primeira atividade conjunta do movimento contra a reforma, organizado de forma unitária pelas centrais sindicais e pelas entidades dos movimentos sociais (Confira os locais e horários das manifestações em todas as cidades).

Conquistas sociais x neoliberalismo

O povo francês trava a primeira grande batalha

Vito Letizia*

Desde 1968, não se via uma greve tão forte como a que sacudiu a França durante todo o mês de dezembro de 1995. Mais de um milhão de pessoas na rua em Paris; adesão enorme de não-grevistas, misturando todos os atingidos pela política do governo; expansão rápida do movimento, criando um fato político novo, que atingiu todo o país.

Não foi a primeira grande mobilização contra as políticas neoliberais dos governos europeus. Já ocorrera uma na Alemanha, em 1992 (servidores públicos); e depois, na França, em 1993 (Air Inter). Porém, foram lutas basicamente sindicais. Em dezembro último, ocorreu algo novo: uma manifestação maciça, claramente opondo o povo ao governo e rejeitando um plano econômico.