Menu fechado

Tag: ditadura

O Cemap na Semana de Jornalismo da PUC

Cartaz 41ª Semana de Jornalismo da PUCO Cemap-Interludium participou da 41ª Semana de Jornalismo da PUC-SP, onde apresentou nosso projeto de digitalização das coleções dos jornais alternativos da época da ditadura Versus, Opinião e Movimento. A presidente de Cemap-Interludium, Lúcia Pinheiro, fez parte da mesa do debate “Memória e Resistência: O papel histórico do jornalismo, junto com Raimundo Pereira, que foi fundador e editor do Movimento, e Laura Capriglione, do Jornalistas Livres. A discussão se centrou na importância e na necessidade do jornalismo de resistência, no passado e no presente, e foi filmada pelos organizadores.

Projeto Memória de uma Imprensa Alternativa entra na fase de execução

O projeto Memória de uma Imprensa Alternativa já começou a fase de execução, com o preparo preliminar para a digitalização das coleções dos jornais Movimento, Opinião e Versus, que integram o acervo do Centro de Documentação do Movimento Operário Mário Pedrosa (Cemap). Disponibilizar o acesso às edições desses três importantes veículos alternativos de resistência democrática que circularam durante o período da ditadura “infelizmente ganha ainda mais relevância nos dias de hoje”, avalia a diretora-geral de Cemap-Interludium, Lúcia Pinheiro. “Com a tragédia do momento político que estamos vivendo, sob uma mal disfarçada ditadura, não necessariamente a imprensa alternativa, mas sim a imprensa independente se impõe.”

Debate marca 50 anos da criação do DOI-Codi

O Núcleo de Preservação da Memória Política e o Memorial da Resistência promovem neste sábado, dia 10, às 14 horas, um debate sobre o Destacamento de Operações de Informação – Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), que foi o maior e mais conhecido centro de tortura da ditadura. Estima-se que cerca de 5 mil pessoas estiveram presas no DOI-Codi, submetidas a diversas práticas de tortura. Destas, por volta de 50 foram comprovadamente assassinadas.

Atos Ditadura Nunca Mais

1ª Caminhada do Silêncio, SP. Ditadura Nunca MaisProtestos por todo o país

Manifestações, caminhadas, debates e intervenções culturais hoje e durante o resto da semana marcam o aniversário do golpe militar de 1964 por todo o país. Em São Paulo, o principal evento é a 1ª Caminhada do Silêncio, no Parque do Ibirapuera, organizada pela Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, com apoio de organizações populares, centrais sindicais e entidades estudantis e acadêmicas. O Rio fará hoje o ato Ditadura Nunca Mais na Cinelândia. Veja a programação em várias cidades:

Ditadura Nunca Mais

São Paulo faz atos para marcar golpe de 1964

6º Ato Unificado DITADURA NUNCA MAIS
No fim de semana de aniversário do golpe militar de 1964, organizações populares, centrais sindicais e entidades acadêmicas organizam uma programação intensa de manifestações por todo o país. Em São Paulo, a principal é o o 6º Ato Unificado DITADURA NUNCA MAIS, a partir das 10 horas, nas dependências do antigo Doi-Codi em São Paulo (Rua Tutoia, 921). Uma das reivindicações dos organizadores, o Núcleo Preservação da Memória e o Comitê Paulista Pela Memória, Verdade e Justiça, é a transformação do antigo Doi-Codi em Lugar de Memória. Outras atividades estão previstas para hoje e amanhã.

Memória de uma imprensa alternativa

Jornais alternativos

Vamos digitalizar os jornais Movimento, Opinião e Versus!

O Cemap-Interludium começa 2019 comemorando: vai fazer este ano a digitalização dos jornais Movimento, Opinião e Versus, três importantes veículos alternativos de resistência democrática que circularam durante o período da ditadura. Nosso projeto Memória de uma Imprensa Alternativa, que prevê a digitalização e a divulgação dessas coleções, que integram o acervo do Centro de Documentação do Movimento Operário Mário Pedrosa (Cemap), foi um dos dez selecionados pela Secretaria de Cultura da Prefeitura de São Paulo para receber recursos do Edital de Apoio à Digitalização de Acervos.

Movimento, Opinião e Versus não eram porta-vozes de grupos sindicais ou revolucionários, mas jornais que surgiram durante o período da ditadura no Brasil como alternativa à grande imprensa, muito mais suscetível à censura e outras formas de controle. Eles ocuparam em boa parte o vácuo deixado pelos jornais de esquerda, que foram postos na ilegalidade e praticamente deixaram de existir.

Leia mais

Ditadura

39 anos do assassinato de Santo Dias da Silva

Do Cedem

Santo Dias da SilvaÉ sempre bom lembrar. Há 39 anos, no dia 30 de outubro de 1979, o metalúrgico Santo Dias da Silva foi morto pela polícia militar de São Paulo quando lutava por melhores condições salariais. A inflação acumulada naquele ano, segundo o Almanaque Folha, da Folha Online, foi de 77,21%, mas o governo militar a prefixou em 45%. Ainda assim, a inflação terminou o ano ultrapassando os 50%. O custo de vida era alto, o que resultou no Movimento Contra a Carestia, liderado por mulheres simples da periferia da Zona Sul de São Paulo.

Setembro e outubro era época de campanha salarial. Os operários da Silvânia apresentaram pauta pedindo melhores salários e segurança no trabalho. Sem respostas, decidiram pela greve. Santo Dias era um líder e organizava os trabalhadores. Houve piquete. Em depoimento ao Comitê Santo Dias da Silva, a viúva Ana Dias contou que os policiais cercavam os operários que faziam piquete. Às 14 horas daquele 30 de outubro Santo foi assassinado pelo PM Herculano Leonel.