Menu fechado

Cedem reabre para pesquisa presencial

Estantes do Cedem da UnespDesde o dia 27, pesquisadores que queiram consultar em pessoa os acervos do Centro de Documentação e Memória (Cedem), da Unesp, já podem agendar visitas às suas instalações. A retomada da pesquisa presencial será realizada de forma gradual e seguirá todos os protocolos sanitários e orientações do Comitê Covid-19 da Unesp, para garantir a segurança de usuários e funcionários.

Neste primeiro momento, o atendimento presencial ocorrerá apenas uma vez por semana, das 13 horas às 16 horas, por agendamento. O interessado precisa solicitar o agendamento pelo e-mail pesquisa@cedem.unesp.br e aguardar o retorno do funcionário para outras orientações.

Em defesa da Cinemateca

Ato pela cinematecaCentenas de pessoas se reuniram este sábado em frente ao prédio principal da Cinemateca Brasileira em São Paulo para protestar contra o descaso do governo e cobrar ações imediatas de proteção e manutenção do mais importante acervo da história audiovisual do Brasil. O incêndio que no dia 29 destruiu parte do galpão da Cinemateca na Vila Leopoldina, e com ele materiais preciosos como a biblioteca de Glauber Rocha e boa parte dos acervos da Embrafilme e de Paulo Emílio Salles Gomes, foi o que motivou a manifestação e é o golpe mais recente em uma série de desastres e omissões dos últimos governos com relação à Cinemateca e à área da cultura em geral.

Incêndio da Cinemateca Brasileira

Até quando o Brasil e os brasileiros suportarão tanto descaso e tantos ataques à sua memória?

O Brasil a cada ano que passa perde mais e mais a pouca memória que conseguiu a duras penas conservar. Infelizmente o que aconteceu na Cinemateca Brasileira, o quinto incêndio, vem de muito antes do atual governo das trevas. Esses incêndios marcam a trajetória desta que é uma das mais importantes instituições de preservação de acervos de cinema do mundo e a reserva histórica do cinema nacional.

É uma história que se repete como tragédia. Basta lembrar o incêndio do Museu Nacional em 2018, também anunciado, que ocorreu por causa da falta de verbas para manter pessoal técnico que o preservasse.

Apagando a história: acervo Marighella ameaçado

Como já virou rotina no governo Bolsonaro, o presidente da Fundação Cultural Palmares, Sérgio Camargo, usou as redes sociais para anunciar mais uma das decisões absurdas que marcam sua gestão. Ele escreveu no Twitter que o acervo de Carlos Marighella é “imprestável” e será “excluído” da fundação. Camargo chamou Marighella de “terrorista comunista” e afirmou que seus textos deviam ser banidos. “A esquerda precisa parar de empurrar estas tranqueiras comunistas para cima dos pretos. Não queremos, muito menos precisamos, de lixo marxista!”, escreveu. O jornalista e escritor Fernando Morais se dispôs a acolher o acervo.

Em defesa do Instituto Vladimir Herzog

Logotipo do Instituto Vladimir HerzogPela primeira vez em dez anos, o Instituto Vladimir Herzog teve seu planejamento anual rejeitado pela Secretaria de Cultura do governo federal. A rejeição, que não foi acompanhada de nenhum parecer ou justificativa legal, nega recursos para os vários projetos da entidade, uma das mais importantes na área de preservação da memória histórica e na defesa dos direitos humanos. Cemap-Interludium já assinou o manifesto de defesa do instituto e de cobrança do governo e chama organizações, instituições ou coletivos a participar.

CPV Vergueiro encerra seus trabalhos

O Centro de Documentação e Pesquisa Vergueiro deixou de existir depois de 47 anos de serviço na preservação da memória da luta dos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. O CPV, em 31 de julho de 2020, após a previsão de seu planejamento interno, daria um destino aos documentos de seu acervo, lançando posteriormente o Projeto Memória CPV, que ainda terá data de confirmação da publicação.

Lançamento do Acervo Vladimir Herzog

Vladimir Herzog na TV Cultura
Vladimir Herzog na TV Cultura, dias antes de ser preso e morto (foto: Wilson Ribeiro – Acervo Vladimir Herzog/CEDOC TV Cultura).

Para celebrar o lançamento do Acervo Vladimir Herzog na sexta-feira (26 de junho, véspera do 83º aniversário do nascimento de Herzog), foi realizada uma live do Instituto Vladimir Herzog, com a participação de Bianca Santana, Ivo Herzog, Luis Ludmer e Rogério Sottili.

A live foi gravada e pode ser acessada no Youtube, pelo link Acervo Vladimir Herzog – vida e memória em defesa da democracia.

Com fotografias e correspondências, o acervo contabiliza mais de 1.700 itens digitalizados sobre a trajetória profissional e pessoal do jornalista. Produto de dois anos de trabalho, o projeto preenche um vão histórico, disponibilizando à sociedade também a vida e a obra de Vladimir Herzog, para além do trágico episódio de seu assassinato por agentes da ditadura militar, em outubro de 1975.