Menu fechado

Tag: Cemap-Interludium

Venezuela em foco – vídeos

Palestra Laurinha VenezuelaA conversa com Laura Capriglione na PUC

Para quem perdeu, a palestra da jornalista Laura Capriglione (Jornalistas Livres) sobre a situação política da Venezuela, no dia 21 na PUC, foi transmitida ao vivo pelas páginas do Facebook da Apropuc e dos Jornalistas Livres. Vocês podem conferir a conversa nos links abaixo.

Logo da Apropuc

Logo Jornalistas Livres

 

Campanha Lula Livre

Campanha Lula Livre 1Todo apoio aos comitês Lula Livre

No sábado, o Encontro Nacional Lula Livre definiu a nova etapa da campanha pela libertação do ex-presidente. Entre as principais decisões estão o reforço e ampliação dos Comitês Lula Livre, a participação nos atos do Dia Nacional de Luta em Defesa da Previdência, nesta sexta-feira, e a organização de uma jornada de luta de 7 a 10 de abril, para marcar o aniversário de um ano da prisão de Lula. Cemap-Interludium dá todo o apoio aos Comitês Lula Livre e à campanha pela libertação do ex-presidente. No dia 20, saiu o primeiro boletim da campanha Lula Livre.

Venezuela em foco

Venezuela Laura CapriglioneO que está de fato acontecendo na Venezuela?

A jornalista Laura Capriglione (Jornalistas Livres) acaba de voltar da Venezuela, onde pôde acompanhar os acontecimentos e testemunhar diretamente o desenvolvimento da situação política. Ela produziu vários pequenos documentários, publicados no Youtube, em que mostra que a Venezuela é muito diferente daquilo que aparece na grande imprensa nacional e internacional. De volta a São Paulo, Laura topou compartilhar aquilo que viu, ouviu e sentiu. A conversa, aberta a todo mundo, está marcada para dia 21, às 19 horas, no auditório 117-A da PUC. Aproveitem a chance e compareçam!

A palestra/debate é uma promoção conjunta de Cemap-Interludium, Jornalistas Livres e Associação dos Professores da PUC-SP (Apropuc). O endereço: rua Monte Alegre, 984, em Perdizes. Também se pode chegar ao auditório 117-A pela rua paralela, a Ministro Godói!

Até lá, não deixem de ver os vídeos feitos por Laura na Venezuela.

Memória de uma imprensa alternativa

Jornais alternativos

Vamos digitalizar os jornais Movimento, Opinião e Versus!

O Cemap-Interludium começa 2019 comemorando: vai fazer este ano a digitalização dos jornais Movimento, Opinião e Versus, três importantes veículos alternativos de resistência democrática que circularam durante o período da ditadura. Nosso projeto Memória de uma Imprensa Alternativa, que prevê a digitalização e a divulgação dessas coleções, que integram o acervo do Centro de Documentação do Movimento Operário Mário Pedrosa (Cemap), foi um dos dez selecionados pela Secretaria de Cultura da Prefeitura de São Paulo para receber recursos do Edital de Apoio à Digitalização de Acervos.

Movimento, Opinião e Versus não eram porta-vozes de grupos sindicais ou revolucionários, mas jornais que surgiram durante o período da ditadura no Brasil como alternativa à grande imprensa, muito mais suscetível à censura e outras formas de controle. Eles ocuparam em boa parte o vácuo deixado pelos jornais de esquerda, que foram postos na ilegalidade e praticamente deixaram de existir.

Leia mais

Para não esquecer

O acervo do Cemap e as lutas populares

Logotipos do boletim do Cemap
Nos primeiros anos, o Cemap publicou um boletim periódico e foi mudando a cara de seu logotipo

Tornarem-se senhores da memória e do esquecimento é uma das grandes preocupações das classes, dos grupos, dos indivíduos que dominaram e dominam as sociedades históricas. Os esquecimentos e os silêncios da história são reveladores desses mecanismos de manipulação da memória coletiva

(Jacques Le Goff, História e Memória)

Todo mundo já ouviu falar de amnésia, aquele distúrbio que envolve a perda parcial e total da memória. E perder a memória é uma possibilidade terrível, considerando que a nossa personalidade é fundada em nossas lembranças, naquilo que nos ocorreu da primeira infância até hoje. Ou, como diz a linguagem popular, “desde que me conheço por gente”. Perder a memória é quase sinônimo de perder a identidade; de não ser mais sujeito, e sim objeto.

Se essa possibilidade já é assustadora para um indivíduo, imagine-se para um país, um povo, uma sociedade. “(…) A amnésia”, alerta o historiador Jacques Le Goff, “é não só uma perturbação no indivíduo, que envolve perturbações mais ou menos graves da presença da personalidade, mas também a falta ou a perda, voluntária ou involuntária, da memória coletiva nos povos e nas nações que pode determinar perturbações graves da identidade coletiva”.1 No Brasil, desde o golpe de 2016, essa é uma possibilidade real. Só lembrando: uma das primeiras iniciativas do novo governo foi a retirada da obrigatoriedade da História no currículo de Ensino Médio. E de um dia para outro, começamos a ouvir uma “história alternativa” da ditadura militar – que não era tão ruim assim, afinal.

Este é o momento de valorizarmos os chamados locais de produção de memória, como as bibliotecas, os museus e os arquivos. Foi pensando nessa necessidade que, há 37 anos, foi fundado o Centro de Documentação do Movimento Operário Mário Pedrosa, o Cemap. Atualmente, o acervo é gerido pela Oscip (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) Cemap-Interludium. Através de um convênio celebrado com a Universidade Estadual Paulista (Unesp), ele está sob a guarda do Centro de Documentação e Memória da universidade, o Cedem.

Nota

Sobre o incêndio no Museu Nacional

Incêndio no Museu Nacional, ocorrido em 2 de setembro de 2018Cemap-Interludium Centro de Estudo do Movimento Operário vem a público com profunda indignação expressar sua tristeza diante do incêndio ocorrido em 2 de setembro no Museu Nacional, o quinto mais importante museu do mundo.

Os profissionais que lá trabalharam e continuarão a trabalhar há muito sabiam que esta era uma tragédia anunciada, e denunciavam isto, tamanho o descaso e a falta de investimento que assegurasse seu funcionamento em condições minimamente seguras.

Mas este é o país em que alguns governos fazem questão de explicitar, de maneira inequívoca, a pouca ou nenhuma importância que tem a memória histórica e a cultura do seu povo, porque não têm nenhum compromisso com ele.

O que esperar de um país cujo presidente e o Congresso aprovam, como ocorreu recentemente, cortar verba da ciência, da educação e da cultura, sem falar da saúde, por 20 anos, sob o pretexto de contenção de gastos?

O mesmo governo que encontra verba pública para aumentar em 58,6%, só nos dois últimos anos, os mais que polpudos salários de um Judiciário inepto, e o mais caro do planeta.

Nossa solidariedade aos funcionários do Museu Nacional e de todos os demais Museus e Centros de Memória Brasileiros, bem como a todos os cidadãos comprometidos com a nossa memória histórica, com a pesquisa, a ciência, a educação e a cultura.

Debate: Diálogos com Vito Letizia 3

Lançamento de 2017: Uma revolução confiscada  Lançamento de 2017: Uma revolução confiscadaLançamento de 2017: Uma revolução confiscada

Vídeos do debate de lançamento do livro

“1917: Uma revolução confiscada”

1917: Uma revolução confiscada, que encerra a série Diálogos com Vito Letizia, foi lançado em 25 de outubro de 2017, com um debate no Centro de Documentação e Memória da Unesp, no centro de São Paulo. A historiógrafa do Cedem Solange Souza e a presidente do Cemap-Interludium, Lucia Pinheiro, fizeram a apresentação do debate, que teve como expositores a professora doutora Isabel Loureiro, colaboradora da Fundação Rosa Luxemburgo e membro do conselho científico da Sociedade Internacional Rosa Luxemburgo, e o professor doutor José Arbex, professor do Departamento de Jornalismo da PUC-SP e integrante do Cemap-Interludium. Confira os vídeos do debate:

Complementos de ‘1917: Uma revolução confiscada’

Capa do livro 1917: Uma revolução confiscada, de Vito Letizia “1917: Uma revolução confiscada” – leia cronologias da história da Rússia e anexo

Ao preparar as entrevistas que deram origem ao livro 1917: Uma Revolução Confiscada, Vito Letizia organizou dois roteiros históricos para usar como guias de sua narrativa, acompanhados de anotações a respeito de determinados pontos que considerava muito relevantes. O primeiro roteiro tinha como foco a formação do Estado russo, desde o século 6, com a ocupação pelos eslavos das estepes que se estendem do leste europeu à Sibéria, até as vésperas dos acontecimentos revolucionários de 1917. O segundo roteiro se concentrou na Revolução de 1917 e terminou em 1921, com a repressão à revolta de Kronstadt, data que Vito Letizia aponta como o fim do processo revolucionário russo. Como costuma acontecer em projetos tão amplos, nas entrevistas Vito foi muito além desses roteiros. O projeto inicial do livro, lançado em 25 de outubro, previa a inclusão dessas cronologias, e os editores as estenderam para cobrir todo o período abordado nas entrevistas e para completar, ainda que de forma breve, a história da União Soviética até sua dissolução. Posteriormente, decidiu-se não publicá-las com o livro, mas colocá-las à disposição do leitor no site de Interludium.

Anexo de ‘1917: Uma revolução confiscada’

Do “canato” de Moscou até a Revolução de Outubro: identidade religiosa, identidade nacional

Reprodução de pintura do acervo Cedem/IAP
Durante as entrevistas que deram origem ao livro 1917: Uma Revolução Confiscada, Vito Letizia enfatizou várias vezes a questão da profunda religiosidade do povo russo como substituta de uma identidade nacional. Por fim, ele decidiu explicar sua visão de forma mais detalhada, para abrir o debate. O texto que publicamos é o resultado dessa exposição.

Cronologia 1 de ‘1917: Uma revolução confiscada’

Pintura do acervo Cedem/IAPO caráter do Estado Grão-Russo

O caráter de um Estado é dado pelas contradições que constituem sua realidade, as quais são o resultado vivo do processo histórico. No caso russo, é dado pela história da periferia oriental do extinto Império Romano, cujo centro era a Bizâncio da antiguidade helênica (a Constantinopla medieval, hoje Istambul) e de suas relações de fronteira com o mundo islâmico setentrional ou “irânico”, usando um termo de Arnold Toynbee. Por isso, a caracterização do Estado russo exige o conhecimento dos principais eventos desse processo histórico.

A história russa se desenvolveu na vasta planície que se estende da Europa Oriental até a Sibéria. Ao norte, é limitada pelo mar Branco e o Oceano Ártico. Ao sul, pelo mar Negro, o mar Cáspio e as montanhas do Cáucaso. Como descreve o historiador Lionel Kochan, a característica mais importante dessa planície são as colinas que constituem o centro de dispersão do sistema fluvial. Foi ao longo delas que nasceram cidades como Kiev, Novgorod, Polotsk, Chernigov e Smolensk.