Menu fechado

Mas por que sardinhas?

Ato na Piazza San Giovanni, em Roma. Foto de Ivone Lobo.

Uma ideia modesta, contrapor-se a um comício da direita na campanha eleitoral em Bolonha, em pouco mais de um mês virou uma avalanche Itália afora e já ganhou espaço até em outros países. O Movimento das Sardinhas se reivindica antifascista, não se vincula a nenhum partido e pretende se opor aos métodos e à “retórica populista” e agressiva da direita. “Sem insultos, sem símbolos, sem partidos”, resume o cientista político Mattia Santoni, um de seus criadores. Mas de onde vem o nome do movimento?

AI-5 nunca mais!

O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) voltou a mostrar seu desprezo pela democracia e pelo direito de liberdade de expressão, ao sugerir em entrevista um novo AI-5, como resposta “se a esquerda radicalizar”. O filho do presidente Bolsonaro fez a sugestão infeliz de usar um instrumento da ditadura que fechou o Congresso e permitiu prisões de adversários políticos, mortes, tortura e desaparecimentos ao falar sobre os massivos protestos no Chile por reformas econômicas que acabem com a tremenda desigualdade e o empobrecimento da população. Cemap-Interludium se une à onda de protestos que seus comentários provocaram, e assina a nota pública AI-5 Nunca Mais! do grupo Pacto pela Democracia.

Debate marca 50 anos da criação do DOI-Codi

O Núcleo de Preservação da Memória Política e o Memorial da Resistência promovem neste sábado, dia 10, às 14 horas, um debate sobre o Destacamento de Operações de Informação – Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), que foi o maior e mais conhecido centro de tortura da ditadura. Estima-se que cerca de 5 mil pessoas estiveram presas no DOI-Codi, submetidas a diversas práticas de tortura. Destas, por volta de 50 foram comprovadamente assassinadas.

Greve geral contra a reforma da Previdência

A greve geral contra a reforma da Previdência e os cortes na educação deve parar hoje todas as capitais e boa parte das grandes e médias cidades do país. Em assembleias realizadas durante os últimos dias, várias categorias de trabalhadores e estudantes em todo o país decidiram aderir à paralisação convocada conjuntamente pelas centrais sindicais e movimentos populares, como as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo. Além de panfletagens e piquetes em portas de fábrica e locais de trabalho, mais de 200 cidades têm manifestações, passeatas e atividades marcadas.

Na PUC, o 5º Salão do Livro Político

Salão do Livro PolíticoDe hoje a quinta-feira, acontece no Tuca da PUC de São Paulo o 5º Salão do Livro Político. O salão deste ano homenageia o educador Paulo Freire e terá uma programação intensa, com debates sobre as pautas do retrocesso do governo, a resistência antifascista e a restauração conservadora na América Latina, entre outros temas, além de muitas atividades culturais. Mais de 40 editoras expõem livros no evento, com descontos de até 50%.

Coletivo de proteção à embaixada da Venezuela desafia ordem ilegal de ‘não invadir’

Coletivo embaixada da VenezuelaAtivistas ocupam o prédio já faz mais de um mês, com autorização do governo venezuelano, para impedir que os EUA o entreguem ao representante de Juan Guaidó. Desde 24 de abril, quando os diplomatas venezuelanos foram embora, o coletivo enfrenta o assédio de grupos pró-Guaidó acampados na frente da embaixada, e das autoridades americanas, que impedem a entrada de alimentos e bebidas e na semana passada cortaram o fornecimento de luz e água. Na segunda-feira, a polícia tentou despejar os ocupantes com uma “ordem judicial” sem assinatura.

Guia traz dicas de como lidar com a violência em manifestações

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo disponibiliza em seu site uma cartilha para orientar os profissionais que enfrentam situações de violência e intimidação ao cobrirem manifestações e protestos de rua. Embora seja voltado para jornalistas, muitas sugestões do guia são válidas para qualquer pessoa que vá a uma manifestação e se depare com as já rotineiras ações truculentas da polícia. Veja a cartilha na web ou a versão para impressão.