Menu fechado

Tag: Trotsky

Por uma arte independente

Cartaz da comemoração dos 80 anos da Fiari.Café Filosófico #MAIS faz evento pelos 80 anos do Manifesto da Fiari

O Café Filosófico #MAIS, vai realizar neste sábado um evento comemorativo aos 80 anos do Manifesto por uma Arte Revolucionária Independente, escrito em 25 de julho de 1938 por Leon Trotsky e André Breton, pela criação da Federação Internacional da Arte Revolucionária e Independente (Fiari). Os organizadores programaram uma maratona de palestras e intervenções artísticas que começará às 15 horas e se estenderá até as 20 horas, na Rua Borges Lagoa, 170, em São Paulo. Além disso, a Usina Editorial lançará no evento o livro A Revolução na Literatura – A Literatura na Revolução, com nova tradução do Manifesto da Fiari e textos inéditos no Brasil, organizado por Suely Corvacho.

Complementos de ‘1917: Uma revolução confiscada’

Capa do livro 1917: Uma revolução confiscada, de Vito Letizia “1917: Uma revolução confiscada” – leia cronologias da história da Rússia e anexo

Ao preparar as entrevistas que deram origem ao livro 1917: Uma Revolução Confiscada, Vito Letizia organizou dois roteiros históricos para usar como guias de sua narrativa, acompanhados de anotações a respeito de determinados pontos que considerava muito relevantes. O primeiro roteiro tinha como foco a formação do Estado russo, desde o século 6, com a ocupação pelos eslavos das estepes que se estendem do leste europeu à Sibéria, até as vésperas dos acontecimentos revolucionários de 1917. O segundo roteiro se concentrou na Revolução de 1917 e terminou em 1921, com a repressão à revolta de Kronstadt, data que Vito Letizia aponta como o fim do processo revolucionário russo. Como costuma acontecer em projetos tão amplos, nas entrevistas Vito foi muito além desses roteiros. O projeto inicial do livro, lançado em 25 de outubro, previa a inclusão dessas cronologias, e os editores as estenderam para cobrir todo o período abordado nas entrevistas e para completar, ainda que de forma breve, a história da União Soviética até sua dissolução. Posteriormente, decidiu-se não publicá-las com o livro, mas colocá-las à disposição do leitor no site de Interludium.

Cronologia 2 de ‘1917: Uma revolução confiscada’

O processo revolucionário russo

Parte de cartaz de comemoração dos 64 anos da Revolução Russa1917

Janeiro-fevereiro – O número de greves na Rússia chega a 1.330, envolvendo mais de 676 mil trabalhadores. A fome e a insatisfação com a guerra levam a população às ruas em Petrogrado e Moscou. Multidões marcham cantando a Marseillaise, o hino da Revolução Francesa, e gritando “abaixo a guerra”, “abaixo a polícia”, “fuzilem os especuladores”. Na Nevsky Prospekt, principal via de Petrogrado, um manifestante bolchevique testemunha e relata a recusa de soldados a reprimir um protesto: “Ouviu-se estrondoso aplauso. A multidão triunfante saudou seus irmãos vestidos com a capa cinzenta da soldadesca. Os soldados se misturaram livremente aos manifestantes.”

23 de fevereiro (8 de março) – A Liga Ravnopravia Jenschin (Liga pela Igualdade de Direitos das Mulheres) promove uma passeata para marcar o Dia Internacional da Mulher: milhares de operárias têxteis protestam contra a fome, denunciam o governo czarista e reivindicam o direito de votar. Ao longo do dia, a manifestação é engrossada por operários em greve, estudantes, militantes socialistas. Em vez de se esgotar, o protesto é retomado no dia seguinte e várias fábricas param. Em 25 de fevereiro se estabelece a greve geral na cidade.

Lançamento: Diálogos com Vito Letizia 3

Capa do livro 1917: Uma revolução confiscada, de Vito LetiziaCemap-Interludium lança “1917: Uma revolução confiscada”

No livro 1917: Uma revolução confiscada, Vito Letizia apresenta uma nova narrativa para a Revolução Russa. Vito, materialista rigoroso, analisa e descreve o desenvolvimento dos acontecimentos como resultado das contradições materiais existentes e da tentativa de superá-las. Ao mesmo tempo, ele resgata e coloca no contexto dessas contradições os aspectos culturais, históricos e religiosos da história russa, aos quais dá grande importância.

O livro será lançado em 25 de outubro, com um debate às 18h30 no Centro de Documentação e Memória da Unesp (Cedem), que abriga o acervo do Cemap, na Praça da Sé, 108,  1º andar, no centro de São Paulo. O livro estará à venda durante o debate, ou pode ser adquirido pelo site.

Realidade e opinião sobre a URSS

Vito Letizia analisa a visão da esquerda sobre a URSS nos anos 1940, a partir de palestra de Mário Pedrosa

Vanguarda Socialista, artigo de Mário PedrosaREALIDADE E OPINIÃO SOBRE A URSS: NO APOGEU E APÓS A QUEDA

Em 1946 o jornal “Vanguarda Socialista”, criado por um grupo de militantes ex-comunistas e ex-trotskistas, publicou uma série de palestras sobre a Revolução russa e seus resultados, pronunciados por Mário Pedrosa, jornalista e crítico de arte, antigo militante do Partido Comunista, depois da Oposição de Esquerda fundada por Trotsky, com a qual rompera em 1939.

Vale a pena comparar a impressão causada pela URSS triunfante do tempo de Stalin, mesmo entre militantes antistalinistas como Mário Pedrosa, com a perplexidade geral de hoje ante o desmoronamento inesperado daquela potência aparentemente imbatível.

Embora crítico do sistema político vigente na URSS, Mário Pedrosa não conseguia ver rachaduras que anunciassem a futura queda do gigante. Entretanto, nem por isso deixou de mostrar muitos elementos que estavam provocando seu enfraquecimento gradativo.

Na época em que Mário Pedrosa aproveitava o fim do Estado novo no Brasil para fazer uma discussão aberta sobre “A Revolução russa e sua Evolução”, o poder de Stalin estava no apogeu. A máquina política que dominava a URSS entendia sua influência pelo mundo inteiro através dos partidos comunistas.

O termidor da Revolução Russa

O termidor da Revolução Russa

Vito Letizia

Toda revolução, no sentido próprio do termo (adquirido a partir da Revolução Francesa), é uma crise de dominação de uma classe social. O conjunto de acontecimentos que constituem tal crise põe em movimento um processo de derrubada de uma classe social dominante. Evidentemente, tal tendência pode não se realizar e a dominação em vigor pode sobreviver à crise; ou pode se realizar a meias, dando origem a uma dominação renovada, em que parte das classes sociais antes subalternas passa a partilhar o poder com parte da classe previamente dominante (como ocorreu na Revolução Inglesa). Mas no caso em que a revolução se desenvolve até suas últimas consequências há uma mudança qualitativa nas relações de dominação, trazida pelo exercício do poder por uma nova classe social.