Menu fechado

Tag: violência

Debate marca 50 anos da criação do DOI-Codi

O Núcleo de Preservação da Memória Política e o Memorial da Resistência promovem neste sábado, dia 10, às 14 horas, um debate sobre o Destacamento de Operações de Informação – Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), que foi o maior e mais conhecido centro de tortura da ditadura. Estima-se que cerca de 5 mil pessoas estiveram presas no DOI-Codi, submetidas a diversas práticas de tortura. Destas, por volta de 50 foram comprovadamente assassinadas.

Guia traz dicas de como lidar com a violência em manifestações

Cartilha jornalistasO Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo disponibiliza em seu site uma cartilha para orientar os profissionais que enfrentam situações de violência e intimidação ao cobrirem manifestações e protestos de rua. Embora seja voltado para jornalistas, muitas sugestões do guia são válidas para qualquer pessoa que vá a uma manifestação e se depare com as já rotineiras ações truculentas da polícia. Veja a cartilha na web ou a versão para impressão.

Direitos Humanos

CartazMarielle2Em Roma, ato marca um ano do assassinato de Marielle

Verônica O’Pemba Verdi

Em 14 de março de 2018, a vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) e seu motorista, Anderson Gomes, foram assassinados no Rio de Janeiro. Esse ato covarde chocou o Brasil e teve repercussão internacional. Na Itália, brasileiros residentes e a sociedade italiana em geral compartilham a mesma indignação.

Nesta quinta-feira, dia em que se completou um ano desse ato criminoso, o Comitê Italiano Lula Livre e a Frente pela Democracia no Brasil, sediados em Roma, realizaram um ato de luto e luta por Marielle e Anderson.

O evento realizou-se na Casa Internacional da Mulher, com sala lotada. A abertura foi feita por Rosa Mendes, presidente da Casa, seguida das manifestações de Leila Daianis, ativista italiana pelos direitos LGBTIQ; Valéria Ribeiro Corossacz, do movimento Non Uma di Meno, que luta pelos direitos das mulheres e contra o feminicídio; Laura Renzi, da Anistia Internacional; Carla Centoni, responsável pelo Centro Antiviolência Marielle Franco da cidade de Nettuno; e Stella Santos, do Coletivo Marielle Vive.