Menu fechado

O sindicalismo volta à cena e marca o declínio da ditadura

A história das lutas das organizações populares contra o capital confunde-se com a da defesa de seus militantes presos e mortos pela polícia e pela justiça dos patrões.

A história das lutas das organizações populares contra o capital confunde-se com a das lutas em defesa de seus militantes presos e mortos pela polícia e pela justiça dos patrões. Lembramos aqui nossos combatentes.

previous arrow
next arrow
Slider

O antifascismo é uma luta atemporal

Hoje, como ontem, os fascistas tentam ocupar os espaços públicos para transformá-los em seu oposto: espaços de opressão, autoritarismo e barbárie. Eles tentaram, em outubro de 1934, ao convocarem uma manifestação na Praça da Sé, para consolidar a formação do partido nazista no Brasil, como mostra a entrevista publicada pela primeira vez, no jornal Folha de S. Paulo, em outubro de 1984, que reproduzimos em seguida. Os fascistas foram então derrotados. E hoje serão novamente, pela força da juventude, dos trabalhadores e de todos os setores que se identificam com a democracia, incluindo as vibrantes torcidas que saem às ruas contra o governo Bolsonaro.

Cinemateca Brasileira pede socorro

Cinemateca brasileira - Jornalistas Livres, 2020.
Cinemateca brasileira – Foto de Fernando Sato do Jornalistas Livres, 04/06/20

Desde o começo da pandemia do Sars-Cov-2 em território brasileiro, a Cinemateca localizada no bairro Vila Mariana do Estado de São Paulo parou de receber recursos financeiros do governo. Desde abril está com os salários congelados dos poucos funcionários que restam e ainda lutam para pagar contas de luz e água.

Técnicos e especializados da área foram demitidos e as atividades foram reduzidas drasticamente. Entre outras coisas, isso se refletiu na subutilização dos equipamentos de ponta, fruto de importantes investimentos, que correm o risco de sucateamento.

Plantão desnecessário nas escolas municipais

Desde que começou a quarentena por causa do covid19, o secretário de Educação de São Paulo, Bruno Caetano, determinou que as escolas municipais não podiam ficar vazias. Durante todos os dias da semana, mesmo sem aulas e sem alunos, três servidores da secretaria devem permanecer de plantão nas instalações. A ordem vai contra o próprio objetivo da quarentena, ao pôr em risco professores e funcionários em plantões desnecessários e tem provocado muitos protestos.

A Rádio Brasil Atual transmite neste dia 9, entre as 7 e as 9 da manhã, a reportagem Plantão nas Escolas Municipais durante a Quarentena!, em que dá mais detalhes da situação, com entrevistas de alguns profissionais da Educação contrários a essa atitude do secretário.

Projeto “Mario Pedrosa, 120 anos” em andamento

Projeto Mario Pedrosa, 120 anos – Identidade Visual.

O projeto “Mario Pedrosa 120 anos” que visa modernizar a preservação e difusão digital do Acervo do Centro de Documentação Mario Pedrosa do CEMAP-Interludium através do lançamento de um website, minidocs e exposições iconográficas sobre o legado e obras de Mario Pedrosa prossegue firme durante a pandemia.

Libelu – Abaixo a Ditadura 2020

Ruy Shiozawa – acervo particular

Documentário dirigido pelo cineasta e jornalista Diógenes Muniz, é selecionado para “É Tudo Verdade 2020”, maior festival de documentários da América Latina. Sua fase presencial fora adiada para o mês de setembro devido a pandemia do Sars-Cov-2.

1º de maio de 1980

Reunião: Greve, Jornal O Trabalho/ ABC de luta/ Tribuna Metalúrgica – 1980.

Há 40 anos, mais de 150 mil metalúrgicos tomaram o estádio da Vila Euclides em São Bernardo do Campo (ABC). Nesse período atravessado por sucessivas paralisações nos anos anteriores, a deflagração da ditadura militar implantada em 1964 abriu caminho pela luta por direitos trabalhistas, aumento salarial e melhores condições de vida. Assim, diante de uma conjuntura danosa aos operários, nasceu uma das maiores mobilizações do país até então.

O início da grande greve

Jornal o Trabalho e Tribuna Metalúrgica, 1978-1979 (Acervos Mário Pedrosa e Sérgio Buarque de Holanda).

Os últimos anos da década de 70 viram renascer um novo movimento sindical. Depois de uma ausência que seguiu a brutal repressão às greves de 1968 de Osasco e Contagem, a classe operária voltou à cena em grande estilo, aprofundando a crise da ditadura e questionando os limites da “abertura lenta, gradual e segura” dos ditadores Geisel e Figueiredo.