Menu fechado

O DOI-Codi, o mais conhecido centro de tortura da ditadura, foi criado em 2 de julho de 1969, na esteira do AI-5.

O DOI-Codi, o maior e mais conhecido centro de tortura da ditadura, foi criado em 2 de julho de 1969, na esteira do Ato Institucional Número 5 (AI-5).

O DOI-Codi, o maior e mais conhecido centro de tortura da ditadura, foi criado em 2 de julho de 1969, na esteira do Ato Institucional Número 5 (AI-5).

anterior
próximo
Slider

Projeto “Mário Pedrosa, 120 anos”

Do livro “Mário Pedrosa Primary Documents”, Jornal da USP.

CEMAP-Interludium vence edital de Modernização de Arquivos. Conheça o projeto Mário Pedrosa, 120 anos, que realizará a preservação e difusão digital do Acervo do Centro de Documentação Mário Pedrosa (Cemap). Com participação do Cedem-Unesp e do PROAC (SEC-SP).

Memória

Na luta contra o capital, os trabalhadores são levados a exigir a libertação de seus militantes presos pela polícia e condenados pela justiça dos patrões, como acontece hoje com Lula. Recuperamos aqui a memória de algumas dessas lutas.

Como acontece hoje com Lula, a história das lutas das organizações populares contra o capital confunde-se com a história das lutas pela libertação de seus militantes jogados aos cárceres pela polícia e pela justiça submetidas aos patrões. Vamos recuperar, neste espaço, a memória de algumas lutas memoráveis travadas em defesa de nossos combatentes.

Como acontece hoje com Lula, a história das lutas das organizações populares contra o capital confunde-se com a história das lutas pela libertação de seus militantes jogados aos cárceres pela polícia e pela justiça submetidas aos patrões.
Vamos recuperar, neste espaço, a memória de algumas lutas memoráveis travadas em defesa de nossos combatentes.

Rafael Lezama González

Rafael Lezama González

Rafael Lezama González

Julio Castro Pérez

Julio Castro Pérez

Julio Castro Pérez

José Campos Barreto

José Campos Barreto

José Campos Barreto

Slider

Na luta contra o capital, os trabalhadores são levados a exigir a libertação de seus militantes presos pela polícia e condenados pela justiça dos patrões, como acontece hoje com Lula. Recuperamos aqui a memória de algumas dessas lutas.

Como acontece hoje com Lula, a história das lutas das organizações populares contra o capital confunde-se com a história das lutas pela libertação de seus militantes jogados aos cárceres pela polícia e pela justiça submetidas aos patrões. Vamos recuperar, neste espaço, a memória de algumas lutas memoráveis travadas em defesa de nossos combatentes.

Como acontece hoje com Lula, a história das lutas das organizações populares contra o capital confunde-se com a história das lutas pela libertação de seus militantes jogados aos cárceres pela polícia e pela justiça submetidas aos patrões.
Vamos recuperar, neste espaço, a memória de algumas lutas memoráveis travadas em defesa de nossos combatentes.

Rafael Lezama González

Rafael Lezama González

Rafael Lezama González

Julio Castro Pérez

Julio Castro Pérez

Julio Castro Pérez

José Campos Barreto

José Campos Barreto

José Campos Barreto

Slider

Mas por que sardinhas?

Ato na Piazza San Giovanni, em Roma. Foto de Ivone Lobo.

Uma ideia modesta, contrapor-se a um comício da direita na campanha eleitoral em Bolonha, em pouco mais de um mês virou uma avalanche Itália afora e já ganhou espaço até em outros países. O Movimento das Sardinhas se reivindica antifascista, não se vincula a nenhum partido e pretende se opor aos métodos e à “retórica populista” e agressiva da direita. “Sem insultos, sem símbolos, sem partidos”, resume o cientista político Mattia Santoni, um de seus criadores. Mas de onde vem o nome do movimento?

AI-5 nunca mais!

O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) voltou a mostrar seu desprezo pela democracia e pelo direito de liberdade de expressão, ao sugerir em entrevista um novo AI-5, como resposta “se a esquerda radicalizar”. O filho do presidente Bolsonaro fez a sugestão infeliz de usar um instrumento da ditadura que fechou o Congresso e permitiu prisões de adversários políticos, mortes, tortura e desaparecimentos ao falar sobre os massivos protestos no Chile por reformas econômicas que acabem com a tremenda desigualdade e o empobrecimento da população. Cemap-Interludium se une à onda de protestos que seus comentários provocaram, e assina a nota pública AI-5 Nunca Mais! do grupo Pacto pela Democracia.

O Cemap na Semana de Jornalismo da PUC

Cartaz 41ª Semana de Jornalismo da PUCO Cemap-Interludium participou da 41ª Semana de Jornalismo da PUC-SP, onde apresentou nosso projeto de digitalização das coleções dos jornais alternativos da época da ditadura Versus, Opinião e Movimento. A presidente de Cemap-Interludium, Lúcia Pinheiro, fez parte da mesa do debate “Memória e Resistência: O papel histórico do jornalismo, junto com Raimundo Pereira, que foi fundador e editor do Movimento, e Laura Capriglione, do Jornalistas Livres. A discussão se centrou na importância e na necessidade do jornalismo de resistência, no passado e no presente, e foi filmada pelos organizadores.

Projeto Memória de uma Imprensa Alternativa entra na fase de execução

O projeto Memória de uma Imprensa Alternativa já começou a fase de execução, com o preparo preliminar para a digitalização das coleções dos jornais Movimento, Opinião e Versus, que integram o acervo do Centro de Documentação do Movimento Operário Mário Pedrosa (Cemap). Disponibilizar o acesso às edições desses três importantes veículos alternativos de resistência democrática que circularam durante o período da ditadura “infelizmente ganha ainda mais relevância nos dias de hoje”, avalia a diretora-geral de Cemap-Interludium, Lúcia Pinheiro. “Com a tragédia do momento político que estamos vivendo, sob uma mal disfarçada ditadura, não necessariamente a imprensa alternativa, mas sim a imprensa independente se impõe.”

Debate marca 50 anos da criação do DOI-Codi

O Núcleo de Preservação da Memória Política e o Memorial da Resistência promovem neste sábado, dia 10, às 14 horas, um debate sobre o Destacamento de Operações de Informação – Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), que foi o maior e mais conhecido centro de tortura da ditadura. Estima-se que cerca de 5 mil pessoas estiveram presas no DOI-Codi, submetidas a diversas práticas de tortura. Destas, por volta de 50 foram comprovadamente assassinadas.