Menu fechado

É a conjuntura, estúpido

José Arbex Jr.

“Seria mais fácil explicar os protestos quando eles ocorrem em países não democráticos, como no Egito e na Tunísia, em 2011, ou em países onde a crise econômica elevou a índices assustadores o número de jovens desempregados, como na Espanha e na Grécia, do que quando eles ocorrem em países com governos populares e democráticos – como no Brasil, que atualmente exibe os menores índices de desemprego de sua história e uma expansão sem paralelo dos direitos econômicos e sociais. Muitos analistas atribuem os recentes protestos à rejeição da política. Creio ser precisamente o contrário: eles refletem o desejo de ampliar o alcance da democracia, de encorajar as pessoas a participarem de uma maneira mais plena.”

O diagnóstico é feito pelo ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, em artigo de sua autoria, publicado no jornal estadunidense The New York Times, em 16 de julho. Lula está certo. Os jovens que tomaram as ruas querem mais do que aquilo que já têm.

Porque não se deve temer as ruas

O movimento Acampa Sampa Ocupa Sampa convidou o filósofo Vladimir Safatle para dar uma aula pública no dia 8, no Vale do Anhangabaú, em São Paulo.

Na aula, intitulada “Política e acontecimento: Porque não se deve temer as ruas”, Safatle discutiu a questão da ação política, com foco nas mobilizações das Jornadas de Junho, insistindo em que não estava dando uma aula, pois não tinha nada a ensinar que o público já não soubesse.

Crescimento econômico e desintegração social

As raízes do mal-estar brasileiro reveladas nas “Jornadas de Junho”

Danilo Chaves Nakamura*

“Quero dizer que no caso do metrô e trem, nós vamos revogar o reajuste dado. É um sacrifício grande”, declarou Geraldo Alckmin. “Conforme o governador disse, não há como fazê-lo sem dispensas no investimento”, completou Fernando Haddad. Foram essas as palavras utilizadas pelo governador e pelo prefeito de São Paulo no dia 19 de junho de 2013, data em que eles revogaram os aumentos das tarifas dos transportes públicos. O motivo do recuo dos dirigentes? Os seis grandes atos com milhares de pessoas nas ruas, que colocaram a cidade de “ponta-cabeça”. Embora visivelmente atônitos com a onda de passeatas, bloqueios de avenidas e ações diretas contra propriedades privadas e patrimônios públicos, Alckmin e Haddad recuaram, contudo, sem abandonar os argumentos técnicos para explicar os custos das tarifas e a destinação de recursos para os investimentos públicos.

Debate: O Brasil nas ruas

A Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) promoveu no dia 4 o debate “O Brasil nas ruas”, que analisou a enorme onda de mobilizações e manifestações em todo o país iniciada com o Movimento Passe Livre, seus impactos e consequências. O evento, aberto pela reitora da Unifesp, Soraya Smaili, teve como debatedores José Maria de Almeida, da direção nacional da Conlutas, Maria Ermínia Maricato, arquiteta e urbanista, Rodrigo Cesar, da direção nacional da Articulação de Esquerda PT, e Monique, do Movimento Passe Livre. José Arbex Jr., diretor do Departamento de Comunicação Institucional da Unifesp e integrante de Interludium, foi o moderador da mesa.

11 de julho: Dia nacional de luta!

O povo nas ruas muda o mundo!

Nós, movimentos sociais e populares, centrais sindicais e organizações políticas e partidárias, no próximo dia 11 de julho pararemos o país. São 11 pontos que nos reúnem e em torno aos quais queremos ver mudanças reais e profundas no Brasil e em nossas cidades.

Aula pública: Tarifa Zero e mobilização popular

O Movimento Passe Livre de São Paulo promoveu no dia 27 uma aula pública em frente ao prédio da Prefeitura sobre a proposta de tarifa zero para os transportes públicos e mobilização popular. A aula, que reuniu mais de 500 pessoas, foi dada pelo engenheiro e músico Lúcio Gregori, que foi secretário de Transportes da prefeita Luiza Erundina (1989-1992) e é o idealizador do Projeto Tarifa Zero, e pelo filósofo Paulo Arantes, pesquisador e professor aposentado do Departamento de Filosofia da USP.

Notas sobre uma nova política ainda por vir

Emmanuel Nakamura*

“Retomar a paulista” foi título do editorial da Folha de S. Paulo de 13 de junho e “As ruas emitiram um sinal de alerta, que precisa ser ouvido”, a conclusão do editorial deste mesmo jornal no dia 22 de junho. Em pouco tempo, uma nova política, com apoio da maioria da população, parece ter entrado em cena, o que explicaria a mudança de opinião da grande mídia. Essa nova política foi comparada aos movimentos Occupy e Indignados. Com a massificação dos protestos, o Movimento Passe Livre parecia ter sido alçado à “vanguarda” das mobilizações sociais – de fato, uma antivarguarda.1“(…) talvez a principal lição do MPL seja esta: sua iniciativa talvez consista numa recusa, numa descentralização, no abandono da sanha, do vício do controle (vanguardista?) sobre todas as ações de todos os participantes reunidos(…).” Cf. Caio de Andrea, A novidade da recusa do MPL: uma vitória popular. Foi alçado simplesmente porque tinha uma pauta imediata e material – a redução da tarifa de ônibus – e porque não tem dogmas a defender e nem “táticas” e “estratégias” políticas pré-determinadas, e muito menos está comprometido com os governos tucano e petista.